Cobras no Governo

Demissão de ministro da Defesa foi alimentada por veneno de Braga Netto e Eduardo Ramos

Os dois divergiriam de Azevedo e Silva em relação à entrada de militares no governo.

01/04/2021 10h06
Por: Redação
Fonte: Redação

A decisão de Jair Bolsonaro (sem partido) de demitir o general Fernando Azevedo e Silva da Defesa é creditada a críticas feitas a ele pelos generais palacianos que teriam envenenado o presidente —que já estava insatisfeito com a pasta.

O veneno, segundo ministros do próprio governo, teria sido destilado pelos generais Walter Braga Netto, que acabou substituindo Azevedo e Silva, e Luiz Eduardo Ramos, que foi para o lugar de Braga Netto na Casa Civil.

Os dois divergiriam de Azevedo e Silva em relação à entrada de militares no governo. Enquanto o ex-ministro da Defesa defendia que militares ocupassem apenas cargos nas Forças Armadas e no GSI (Gabinete de Segurança Institucional), os dois palacianos defendem ainda mais fardados no governo. Segundo um ministro, eles não podem ver um cargo vago que já indicam um militar para ocupar.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Salvador - BA
Atualizado às 01h41
26°
Nuvens esparsas Máxima: 30° - Mínima: 25°
28°

Sensação

11 km/h

Vento

79%

Umidade

Fonte: Climatempo
Municípios
Últimas notícias
Mais lidas