Segunda, 06 de Dezembro de 2021
29°

Nuvens esparsas

Salvador - BA

Colunas Tempestade de Ideias

Um detetive no século I

O assassino e o profeta se passa no ano 6 d.C

09/09/2021 às 18h08
Por: Juliano Levi Fonte: Juliano Leví
Compartilhe:
O assassino e o profeta - Guillaume Prévost
O assassino e o profeta - Guillaume Prévost

Historiadores e detetives são irmãos de ofício. As semelhanças de método são impressionantes e uma das diferenças é a escala de tempo que pode ser trabalhada. Gosto de me sentir um pouco como um investigador, às vezes. Juntando evidências, dando atenção aos mínimos detalhes para compor uma solução. Esta não é uma afinidade só minha. Estou lendo O assassino e o profeta de Guillaume Prévost e sinto que encontrei mais um entusiasta de mistérios. 

 

Eu só não imaginava como seria difícil solucionar um crime na Antiguidade. 

 

O livro conta a história de Fílon, um jovem judeu que sai do Egito para Jerusalém e se vê envolvido numa trama de assassinatos e intrigas no coração da cidade sagrada. O autor, nascido em Madagascar, é historiador e um especialista reconhecido no gênero policial histórico. Ele nos leva às terras áridas da Palestina na Antiguidade com uma ambientação minuciosa. Existem até mapas descritivos de pontos de interesse da região naquela época. Os costumes, as tradições judaicas e a opressão do domínio romano são elementos que enriquecem a narrativa e são muito educativos. Para quem curte escritores como Dan Brown (O código Da Vinci) e Margareth George (Memórias de Cleópatra), este livro é um prato cheio. 

 

Imagine uma unidade do C.S.I  ou um Sherlock Holmes sem acesso a nenhuma tecnologia? A dificuldade de descobrir um assassino sem recursos como impressões digitais, fotografias, câmeras de segurança é absurda. As ruas quase não tinham calçamento e iluminação noturna estava fora de cogitação. Conhecimentos de anatomia? Limitadíssimos. O protagonista, nascido em Alexandria, só podia contar com seu intelecto e visão aguçada aos pormenores. E é muito legal como o escritor malgaxe consegue estabelecer situações perfeitamente críveis na construção das investigações. O suspense em torno do assassino fica presente a todo tempo e nós vamos transitando pela Galiléia tentando encontrar algum personagem histórico familiar. 

 

Eu ainda não terminei de ler o livro. É bom que eu não lhes dou spoilers. Mas posso dizer sim, que é uma história cheia de surpresas. Tenho meu palpite sobre quem é o perpetrador do crime. Espero que meu faro de investigador se mostre tão eficaz quanto o dos detetives. O certo é que Guillaume Prévost me conquistou e esta não será a única obra sua que irei ler.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Tempestade de Ideias - Juliano Levi
Tempestade de Ideias - Juliano Levi
Sobre Professor Juliano Levi aborda de tudo em textos semanais, leves e criativos.
Salvador - BA Atualizado às 08h35 - Fonte: ClimaTempo
29°
Nuvens esparsas

Mín. 24° Máx. 30°

Ter 31°C 23°C
Qua 32°C 23°C
Qui 32°C 24°C
Sex 32°C 22°C
Sáb 33°C 23°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias